Toda a luz que não podemos ver (Anthony Doerr, Intrínseca)

“‘Abram os olhos’, o francês do rádio costumava dizer, ‘e vejam o máximo que puderem antes que eles se fechem para sempre'”.

Em tempos de guerra, como na história de Toda a luz que não podemos ver, essa frase faz total sentido. Mas, pense um pouco: será que não andamos, em boa parte do tempo, olhando por aí sem ver?

Ainda estou lendo a obra de Anthony Doerr – devorando seria o verbo mais adequado. Volto a falar do livro em breve!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s